25.09.2013 - UNESCO Office in Brasilia

Brasília recebe exposições e conferências sobre o Parque Nacional da Serra da Capivara

Brasília ganhará, por dois meses e meio, duas exposições e um ciclo de conferências com especialistas internacionais sobre o Parque Nacional da Serra da Capivara (Piauí), área que integra a lista do Patrimônio Mundial da UNESCO e abriga um dos mais ricos sítios arqueológicos do mundo. O evento Serra da Capivara: os brasileiros com mais de 50 mil anos engloba uma exposição museográfica, parte da coleção do Museu do Homem Americano (que fica em São Raimundo Nonato, PI); exposição e produção de cerâmicas feitas pelos moradores das cercanias do Parque, e um ciclo de conferências organizado por várias instituições que promoverá as discussões mais atuais sobre arqueologia, turismo, gestão de áreas protegidas, gestão de patrimônio natural e inclusão produtiva de populações vizinhas, entre outros. O acesso será gratuito até a lotação do auditório.

São parceiros na organização do evento a Delegação da União Europeia, a Fundação Museu do Homem Americano (FUMDHAM), a UNESCO no Brasil, o Governo do Estado do Piauí, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), as Representações da República Federal da Alemanha, a Embaixada da França e a Embaixada da Suécia no Brasil e o Espaço Israel Pinheiro, que trabalham com o apoio de outras organizações como o Governo do Distrito Federal e empresas do setor privado. 

A exposição museográfica Parque Nacional da Serra da Capivara: pré-história e desenvolvimento ficará no Espaço Israel Pinheiro de 2 de outubro a 15 de dezembro de 2013 e estará aberta ao público das 10h às 18h, de segunda a domingo durante todo o período. Ela mostrará aspectos da Serra da Capivara que incluem natureza local, descobrimentos arqueológicos e paleontológicos e outros que testemunham a presença de homens e animais pré-históricos de mais de 50.000 anos.

A exposição de cerâmicas constitui um produto da fábrica de cerâmicas da Serra da Capivara, um projeto de geração de renda para as famílias que moram nas regiões vizinhas ao Parque Nacional. Os produtos da fábrica mantêm o sustento de várias famílias locais e algumas dessas peças já são comercializadas nacionalmente e internacionalmente. As peças que virão para Brasília estarão à venda durante a exposição, aberta também no Espaço Israel Pinheiro, nos mesmos dias e horários acima.

As conferências, que serão realizadas no mesmo período das exposições, acontecerão todas as semanas, sempre às quartas-feiras, das 18h às 20h30, no auditório do EIP. A organização das conferências está a cargo da instituição parceira que a propôs, assim como atividades específicas a serem eventualmente oferecidas no EIP durante sua respectiva semana. Conheça os temas das conferências em Programa detalhado Serra da Capivara.

Parque Nacional Serra da Capivara

O Parque Nacional da Serra da Capivara foi criado em 5 de junho de 1979 e está situado no Sudeste do Estado do Piauí, fazendo fronteira com os municípios de São Raimundo Nonato, Coronel José Dias, João Costa e Brejo do Piauí. Possui 129.140 hectares e seu perímetro é de 214 km.

A região do Parque Nacional da Serra da Capivara era, entre 440 e 360 milhões de anos atrás, coberta pelo mar Siluriano-Devoniano, limitado ao sul pelo escudo cristalino do Pré-Cambriano. Por volta de 225-210 milhões de anos atrás, durante o Triássico, um movimento tectônico de grande porte que iniciou a abertura do Atlântico Sul fez levantar o fundo do mar, criando a serra, formada por rochas sedimentares, arenitos e conglomerados. As chuvas esculpiram o relevo formando uma paisagem espetacular com múltiplos monumentos geológicos de rara beleza. 

A paisagem atual da região do Parque Nacional da Serra da Capivara é formada por planaltos, serras e planícies. Essas várias formas de relevo são resultado de transformações que foram se produzindo durante milhões de anos nas duas formações geológicas, a Bacia Sedimentar Piauí-Maranhão, ao Norte, e a Depressão do Médio São Francisco, ao Sul.

O clima da região era tropical úmido até cerca de 9.000 atrás. O planalto era coberto pela Floresta Amazônica e a planície pela Mata Atlântica. Algumas espécies animais e vegetais desses dois biomas subsistem até hoje nos vales mais úmidos e protegidos. A partir de 9.000 anos, o clima começou a mudar, tornando-se mais seco e, hoje, o Parque Nacional situa-se no Domínio Morfo-Climático das Caatingas, porém, ao passear pela região, pode-se verificar que ele é uma verdadeira área de transição.

As plantas da caatinga têm adaptações específicas para a seca, porque, mesmo na curta estação de chuva, faz muito calor durante o dia, os recursos em água são reduzidos e a evaporação das plantas é intensa. Os vegetais devem também resistir a vários meses, às vezes anos, de seca. Várias adaptações morfológicas, anatômicas ou fisiológicas se combinam para permitir tal resistência.

Apesar de relativamente pobre em espécies, a caatinga abriga um número considerável de endemismos (grupos que se desenvolvem em uma região restrita). Um dos motivos pelos quais o Parque Nacional da Serra da Capivara é tão importante é justamente o fato de abrigar populações da maioria dos endemismos da caatinga, e, pela sua extensão, possibilitar que essas populações tenham número suficiente para sobreviver.

Mais informações:
União Europeia - Jérôme Poussielgue,
jerome.poussielgue(at)eeas.europa.eu , 61-2104 3143




<- Back to: Visão Exclusiva do Conteúdo Dinâmico
Voltar ao topo da página