10.05.2013 - UNESCO Office in Brasilia

Como escrever livros didáticos sem estereótipos

Livros e materiais didáticos inclusivos podem abrir as mentes dos estudantes para outras culturas, e ajudar professores a cultivar valores e habilidades sobre como aprender a viver juntos.

“Um bom livro didático deve engajar estudantes e relacionar-se com a sua realidade” declara Jean Bernard da Comissão Nacional da UNESCO nos Estados Unidos da América. Como produtor de materiais didáticos e consultor na qualidade de livros didáticos, Bernard acredita que todos os livros e materiais didáticos deveriam refletir os princípios da educação para a cidadania e a paz.

“Livros didáticos e outros materiais pedagógicos não simplesmente organizam e repassam conhecimento, mas também refletem os valores específicos das sociedades em que são produzidos” diz Sylvie Cromer, socióloga da Lille University2 (Universidade de Lille-2) e pesquisadora do Institut national d’études Démographiques (Instituto Nacional de Estudos Demográficos).

O meio e a mensagem

Desde 1946, a UNESCO e seus parceiros têm conduzido revisões de livros didáticos, a fim de retirar deles estereótipos negativos e encorajar a cultura de paz. As recomendações da German-Polish Textbook Commission (Comissão Germano-polonesa de Livros Didáticos), estabelecida em 1972 com o apoio da UNESCO, têm sido amplamente utilizadas em todo o mundo. A UNESCO também coordena pesquisas comparativas sobre livros didáticos no contexto do diálogo euro-árabe.

Escrever ou revisar livros didáticos, particularmente nas áreas de história, geografia e educação cívica, requer muita sensibilidade cultural, especialmente em cenários de pós-conflito. “Considerando os pontos de vista de populações dominadas ou de minorias, os livros didáticos podem ajudar a desenvolver o pensamento crítico e a cultivar a paz”, explica Cromer.

O processo de revisão não é limitado somente a livros didáticos. “Considerando a utilidade de todos os meios de aprendizagem – de livros didáticos ao Twitter – como catalisadores na criação da paz sustentável e na construção de competências para a cidadania global, é importante considerar tanto os meios como as mensagens”, ressalta Bernard.

Uma nova ferramenta

A UNESCO elaborou uma nova ferramenta para escrever livros didáticos sem estereótipos. Financiada pela Arábia Saudita, a ferramenta foi desenhada para ajudar a retirar estereótipos culturais, religiosos e sexistas dos currículos e dos materiais didáticos. Para testar a ferramenta antes de sua publicação em setembro de 2013, a UNESCO está organizando uma oficina, de 6 a 9 de maio de 2013, em Rabat (Marrocos), para autores, editores, formuladores de currículos e especialistas em desenvolvimento de livros didáticos de 15 países, para trabalhar com os designers da ferramenta e experimentar sua utilidade e relevância. O feedback dessa oficina será utilizado para aprimorar todos os aspectos da ferramenta.

“O projeto UNESCO-Arábia Saudita é inovador porque reúne o melhor do trabalho recente da UNESCO em livros e recursos didáticos, na forma de uma ferramenta virtualmente disponível para todos os envolvidos no ciclo de desenvolvimento, distribuição e utilização de livros didáticos”, diz Bernard. “Ela ajusta a noção do que é um livro didático e de como ele deve ser utilizado com as realidades da era da informação, sem negligenciar os princípios de tolerância, respeito mútuo, igualdade e construção da paz, baseando-se em seis décadas de pesquisa e revisão de livros didáticos realizadas pela UNESCO e seus parceiros”. 

“A ideia é oferecer a editores, ministérios, instituições pedagógicas e professores – na verdade, a toda a cadeia de produção editorial – uma abordagem metódica para garantir que as publicações evitem estereótipos e preconceitos”, diz Cromer.

O projeto UNESCO-Arábia Saudita faz parte do acordo entre a UNESCO e a Arábia Saudita para apoiar o Programa Internacional Abdullah bin Abdulaziz para a Cultura de Paz e o Diálogo.




<- Back to: Visão Exclusiva do Conteúdo Dinâmico
Voltar ao topo da página