19.11.2013 -

Segundo mandato de Irina Bokova como diretora-geral da UNESCO: a promessa de um novo humanismo

© UNESCO/Fabrice GentileIrina Bokova, UNESCO Director-General

Irina Bokova fez o juramento de posse como diretora-geral da UNESCO para um segundo mandato de quatro anos. A cerimônia aconteceu em uma sessão plenária da Conferência Geral da UNESCO, na sede da Organização em Paris, na presença de 195 Estados-membros.

“A UNESCO está aqui para nos lembrar de que a paz duradoura e o desenvolvimento sustentável são dois lados da mesma moeda, não poderá haver paz sem erradicação da pobreza, não há erradição da pobreza sem a paz”, disse Irina Bokova em seu discurso de aceitação..

Eleita para seu primeiro mandato em 15 de novembro de 2009, Irina Bokova é a primeira mulher a dirigir a Organização. Seu mandato inicial foi marcado por uma grande reforma da UNESCO para tornar a Organização mais eficiente e relevante aos desafios enfrentados pela paz e pelo desenvolvimento na atualidade, em um mundo caracterizado pela diversidade e que é cada vez mais interdependente. Dirigindo-se aos Estados-membros, Irina Bokova disse: “O juramento que acabo de fazer é uma promessa para o humanismo. A criatividade humana é nossa grande força, um manancial inesgotável, cujo poder é preciso desencadear. Esta é a missão humanista da UNESCO, e isto tem me guiado em tudo que tenho feito”.

Hao Ping, presidente da 37ª Sessão da Conferência Geral, comentou sua liderança dizendo: “Você tem supervisionado em uma época em que a UNESCO tem estado na vanguarda da educação nos países em desenvolvimento, apoiando a formação de professores e a educação para todos em algumas das áreas mais carentes do mundo. A Organização tem trabalhado sem cessar para proteger os sítios culturais, sobretudo em Mali neste ano, e para garantir que o custo do desenvolvimento não seja medido com a perda da cultura, da história e da diversidade. Estamos nos aproximando de outro marco no discurso do desenvolvimento e estou muito contente de ver que você estará dirigindo a Organização neste importante empreendimento – a esperança de todas as nações”.

A reeleição da diretora-geral foi “um voto de verdadeira confiança em sua habilidade em executar o mandato desta Casa augusta pelos próximos quatro anos”, afirmou Alissandra Cummins, presidente do Conselho Executivo, em seu discurso de congratulações. Ela destacou que a liderança e a determinação da diretora-geral em chamar atenção para a importância da cultura na agenda de desenvolvimento global. “Sua defesa apaixonada da cultura como catalizadora do desenvolvimento sustentável será reconhecida como um importante legado para as Nações Unidas – um legado que potencializa a comunidade internacional a finalmente tratar de uma carência muito negligenciada na impulsão para o progresso da humanidade sob a legítima supervisão da UNESCO”.

Das palavras veio a música. A cantora americana de jazz Nicole Slack-Jones iluminou a casa com uma capela do clássico de Louis Armstrong “What a Wonderful World”.

Três personalidades excepcionais – Abdel Rahmane Ben Essayouti (Imam da mesquita Djingareyber em Timbuktu, Mali), Estela Barnes de Carlotto (presidente da Associação Argentina Avós da Praça de Maio, laureada do Prêmio de Paz da UNESCO Félix Houphouët-Boigny de 2011), e Homi K. Bhabha (diretor do Centro de Humanidades na Universidade de Harvard; consagrado com o prêmio Padma Bushshan de 2012) – enfatizaram a importância do papel e da ação da UNESCO nas áreas de educação, cultura e comunicação.

Abdel Rahmane Ben Essayouti disse: “A UNESCO prometeu reconstruir, e a UNESCO está cumprindo sua promessa. Podemos mais uma vez organizar rapidamente cerimônias de procissão de nossos santos, reconstruir nossos mausoléus e mosteiros; reativar bibliotecas de manuscritos. Graças à UNESCO, a comunidade internacional manteve-se mobilizada conosco. Sra. Bokova, sua decisão corajosa de ir pessoalmente a Timbuktu para verificar como estava a situação de nosso patrimônio nos trouxe conforto e esperança, e nos mostrou seu profundo comprometimento conosco”.

Estela Barnes de Carlotto disse: “Sua solidariedade e compromisso com as causas humanitárias colocaram-na como uma das vozes de liderança sobre essas questões no mundo todo. Seu trabalho na UNESCO facilitou e apoiou a criação do “Centro Internacional para la Promoción de los Derechos Humanos”.

A visão da diretora-geral de um novo humanismo é a inspiração do discurso de Homi K. Bhabha. “Deixe o novo humanismo definir o horizonte de nossa história compartilhada e nossa moralidade coletiva”.

O embaixador de boa vontade da UNESCO, A’Salfo, e seu grupo musical Magic System, encerraram a cerimônia com uma performance exuberante da música de sucesso mundial “Bouger, Bouger”, (Move it, Move it).




<- Back to: Visão Exclusiva do Conteúdo Dinâmico
Voltar ao topo da página