03.10.2018 - UNESCO Office in Brasilia

Mensagem conjunta para o Dia Mundial dos Professores

Mensagem conjunta dos chefes da UNESCO, da OIT, do UNICEF, do PNUD e da Education International, por ocasião do Dia Mundial dos Professores, 5 de outubro de 2018

A educação é um direito humano fundamental e um bem público. Ela transforma vidas, ao conduzir o desenvolvimento econômico e social. Ela promove a paz, a tolerância e a inclusão social. Ela é a chave para a erradicação da pobreza. Por fim, ela permite que crianças e jovens realizem seu potencial.

Porém, em muitos lugares, as crianças são privadas do direito à educação, devido a uma escassez mundial de professores qualificados e experientes – especialmente professoras em países de renda baixa. Apesar de ter ocorrido um aumento geral no acesso à educação, mais de 263 milhões de crianças e jovens de todo o mundo não estão na escola. O impressionante número de 617 milhões de crianças e adolescentes – quase 60% mundialmente – não domina a alfabetização ou o numeramento básicos. As crianças mais pobres e marginalizadas, incluindo aquelas que vivem em áreas afetadas por conflitos, apresentam os maiores riscos de estar fora da escola ou de frequentá-la, mas com um baixo nível de aprendizagem.

A Agenda 2030, com a qual a comunidade internacional se comprometeu, pede a educação infantil, primária e secundária universal. Para alcançar essa meta, nós devemos ampliar o acesso à educação de qualidade para todas as crianças e para todos os jovens, acabar com a discriminação em todos os níveis do sistema educacional e melhorar de forma substancial a qualidade da educação e os resultados da aprendizagem. Esses objetivos, por seu turno, exigirão um aumento da oferta mundial de professores qualificados – cerca de 69 milhões a mais.

O tema do Dia Mundial dos Professores de 2018 – “O direito à educação significa o direito a um professor qualificado” – reflete essa realidade. Ele também ecoa as palavras da Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada há 70 anos, que reconhece a educação como um direito fundamental. Hoje, nós lembramos os governos e a comunidade internacional sobre a importância de salvaguardar esse direito, por meio do investimento em uma robusta força de trabalho no setor educacional, inclusive em países afetados por conflitos. Para garantir que todas as crianças estejam preparadas para aprender e para ocupar seu lugar na sociedade, os professores devem receber formação e apoio efetivos, para qualificá-los a responder às necessidades de todos os estudantes, incluindo os mais marginalizados.

No entanto, a escassez de professores dificulta os esforços para a obtenção de uma educação igualitária, inclusiva e de qualidade para todos – em especial em países afetados pela pobreza generalizada e por crises prolongadas, e em regiões onde a população jovem apresenta um rápido crescimento. Para atender à demanda por novos professores, as autoridades educacionais muitas vezes empregam pessoas com pouca ou nenhuma formação, ou ainda pela redução dos requisitos de qualificação. Alguns professores recebem a solicitação de ensinar assuntos para os quais eles não têm nenhuma formação pedagógica. Em países de renda baixa, uma solução encontrada para o problema da escassez de professores foi o aumento drástico do tamanho das turmas, o que causa um impacto devastador sobre a qualidade da educação e sobre a carga de trabalho do docente.

Como resultado disso, as crianças mais marginalizadas e excluídas tendem a ser ensinadas pelos professores menos experientes, que podem estar trabalhando com contratos temporários e não estar recebendo cursos ou treinamentos profissionais. Os professores disponíveis para trabalhar em contextos de emergência ou crise podem não ter a formação adequada para responder às complexas necessidades de crianças vulneráveis, em particular meninas, que foram forçadas a fugir de suas casas devido a conflitos armados, violência ou desastres naturais.

Apesar do reconhecimento difundido de que os professores são a chave para atingir a educação de qualidade para todos, a profissão docente ainda não é valorizada de forma ampla. Seu baixo prestígio impede esforços para recrutar e manter professores, tanto nos países ricos como nos pobres. Para abordar essa questão, os governos e os parceiros educacionais devem tomar medidas corajosas para melhorar a qualidade da formação de professores novos e já em atividade. Os docentes devem receber uma formação inicial de qualidade e uma introdução efetiva à profissão, bem como devem ter oportunidades para um desenvolvimento profissional de alta qualidade para aprimorar suas habilidades ao longo de suas carreiras. Por fim, os governos devem demonstrar ao público que a profissão docente é importante, pelo pagamento de salários decentes e pela melhoria das condições de trabalho dos educadores em todos os níveis do sistema educacional.

Neste Dia Mundial dos Professores, enquanto nós celebramos as importantes contribuições dos professores para melhorar a vida de crianças e jovens em todo o mundo, reafirmamos o nosso compromisso de aumentar a oferta mundial de professores qualificados. Chamamos todos os governos e a comunidade internacional para se unirem a nós nesse esforço, para que todas as crianças e todos os jovens, independentemente de suas circunstâncias, possam ter garantidos o seu direito à educação de qualidade e um futuro melhor.




<- Back to: Visão Exclusiva do Conteúdo Dinâmico
Voltar ao topo da página