13.11.2014 - UNESCO Office in Brasilia

Aberta oficialmente, conferência internacional debate tecnologias da comunicação e acessibilidade nas Américas

O simpósio América Acessível: Informação e Comunicação para Todos teve início hoje, 12/11/2014, com o objetivo de debater a acessibilidade das Tecnologias de Comunicação e Informação (TIC) para pessoas com deficiência. O evento segue até o dia 14 no Hotel Holiday Inn Park Anhembi, em São Paulo (SP), e reúne especialistas, representantes da sociedade civil, governos, organismos internacionais e empresas de telecomunicações das Américas.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, esteve na cerimônia de abertura ao lado da secretária municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida, Marianne Pinotti, do Representante da UNESCO no Brasil, Lucien Muñoz, do diretor da União Internacional das Telecomunicações-UIT para as Américas Bruno Ramos, do presidente da Agência Nacional de Telecomunicações-Anatel, João Rezende, do secretário Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, e da diretora da Agência Nacional do Cinema-Ancine, Rosana Alcântara.

O América Acessível foi organizado pela UIT em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH) e a UNESCO no Brasil, com o apoio da Anatel e da Secretaria Municipal de Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida da Prefeitura de São Paulo.

O diretor da UIT para a Região das Américas, Bruno Ramos, comentou que a acessibilidade das TICs para todas as pessoas é prioridade dos estados membros da UIT, que reconheceram a necessidade do uso das tecnologias para o empoderamento das pessoas com deficiência. “Este evento é o cenário ideal para reunir diversos atores e definirmos ações práticas a serem adotadas em políticas públicas”, completou.

“Para a UNESCO, o desenvolvimento da acessibilidade das tecnologias de comunicação e informação amplia a inclusão da pessoa com deficiência por meio do conhecimento, que está divido em quatro pilares. Liberdade de expressão e informação a todos; acesso aberto a fontes de conhecimento; ensino de qualidade; e respeito às diferenças e à diversidade humana”, disse o Representante da UNESCO no Brasil, Lucien Muñoz, em sua fala de abertura.

Antônio José Ferreira, secretário Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Presidência da República, reforçou ser fundamental que todas essas tecnologias se enquadrem no desenho universal, para que nenhum público consumidor fique de fora. “O plano nacional para as pessoas com deficiência, o Viver Sem Limite, trouxe diversas ações para fortalecer o acesso às TICs. Cito, como exemplo, o crédito de R$ 100 milhões da Agência Brasileira de Inovação para financiar indústrias a desenvolverem tecnologias assistivas. Outro exemplo, é o crédito disponibilizado pelo Banco do Brasil para que as pessoas com deficiência possam comprar produtos de tecnologia assistiva”.

O prefeito Fernando Haddad disse que “aqui em São Paulo estamos com o espírito de ajudar e contribuir para que o direito das pessoas com deficiência seja respeitado. Então há um enorme esforço de adaptação dos equipamentos públicos, acessibilidade das calçadas, para que estas barreiras possam ser vencidas e as pessoas possam usufruir da cidade, conviver, produzir, ter lazer e tudo a que têm direito”.

A secretária municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida, Marianne Pinotti, ressaltou que “ao melhorarmos o acesso das pessoas com deficiência às tecnologias de informação, melhoramos também a vida de todas as pessoas”.

O presidente da Anatel, João Rezende, lembrou que há 10 anos o Brasil possuía 38 milhões de dispositivos de Telecom, como TV por assinatura, celulares e computadores com acesso a internet. “Hoje, já são 350 milhões de dispositivos e esse crescimento precisa ser isonômico para que todos tenham acesso. Para isso, a indústria de tecnologia e as operadoras de serviço precisam se envolver nesse processo de acessibilidade das TICs”, reforçou.

E a diretora da Ancine, Rosana Alcântara, atestou que as questões relativas à acessibilidade estão presentes no conjunto de políticas para acesso à produção audiovisual no país.

Durante os três dias de Conferência, os participantes do América Acessível discutirão a importância das TIC para o empoderamento das pessoas com deficiência, inseridas em um contexto de exercício de seus direitos, em condições de igualdade e a preços acessíveis. A ideia é chegar a uma proposta de Plano de Ação com definição de metas. Por meio da cooperação, do desenvolvimento de ferramentas, da capacitação e do desenvolvimento de políticas e estratégias, acredita-se ser possível eliminar as barreiras e permitir a inclusão social.

A abertura do evento marcou também o lançamento da versão em português do Relatório Global UNESCO sobre as TIC no acesso à informação e ao conhecimento para pessoas com deficiência. Uma breve apresentação do conteúdo do Relatório foi feita por Adauto Soares, coordenador do setor de Comunicação e Informação da UNESCO no Brasil, e Tatiana Jereissati, do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação-CETIC.br.

O Relatório detalha as variadas adaptações inovadoras das TIC com vistas a diminuir custos, melhorar a acessibilidade e a adaptabilidade na educação. O material apresenta um resumo de consultas globais sobre as TIC e oferece ferramentas para os leitores explorarem de modo aprofundado links estruturados para recursos na internet voltados para pessoas com deficiência, estudos de cases de sucesso em comunicação e educação e também uma bibliografia detalhada. O Relatório pode ser acessado no site da UNESCO no Brasil  www.unesco.org/brasilia .

A sessão 2, intitulada Por que a acessibilidade das TIC é importante? e mediada pelo Secretário Executivo da CITEL/Organização dos Estados Americanos-OEA, Clóvis Baptista, contou com Simão Campos falando sobre padronização e acessibilidade às TIC pela UIT. Rita Bersch, acerca do papel das TIC acessíveis para a educação inclusiva, salientou a necessidade de implementação do conceito de Desenho Universal na transmissão do conhecimento por meio de ferramentas pedagógicas que permitam a interação de crianças com e sem deficiência no processo de ensino aprendizagem. Por fim, Sergio Pérez explanou sobre as ações de acessibilidade às TIC com a finalidade de aplicá-las na promoção da empregabilidade das pessoas com deficiência.

Desafios para garantir a acessibilidade das TIC, Estudos de caso regionais foi o tema da sessão 3, no período da tarde, e trouxe as experiências vividas e implantadas por órgãos de diferentes países americanos. Moderada pelo diretor regional da UIT para as Américas, Bruno Ramos, seus expositores examinaram desafios, oportunidades e estratégias para promoção de acessibilidade comunicacional, considerando as medidas de responsabilidade social, políticas, de regulamentação e planos tarifários.
Karla Crosara, gerente de Universalização e Ampliação do Acesso da Anatel, expôs as regras atuais da Agência para a promoção da acessibilidade dos consumidores de serviços de TV por assinatura, internet e telefonia móvel e fixa.


Informações para a imprensa:

• UNESCO no Brasil:
Ana Lúcia Guimarães, a.guimaraes(at)unesco.org, 61-2106 3536, 61-9966 3287
Anita Campos, a.campos(at)unesco.org, 61-2106 3538

 




<- Back to: Visão Exclusiva do Conteúdo Dinâmico
Voltar ao topo da página