20.11.2015 - UNESCO Office in Brasilia

Artigo “UNESCO, aos 70 anos, mais atual que nunca”, de Marlova Noleto*

Publicado pelo jornal O Globo, no dia 20/11/2015.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) acaba de completar 70 anos, com uma agenda mais atual que nunca. Seu aniversário, no último dia 16 de novembro, coincidiu com o momento de dor e perplexidade internacional diante dos ataques que, em 13 de novembro, mataram mais de cem pessoas e deixaram centenas de feridos em Paris.

Criada logo após o fim da Segunda Guerra Mundial, a UNESCO nasceu com a missão de ajudar a humanidade a construir uma cultura de paz. Daí a aposta de que a educação, a ciência, a cultura, a comunicação e a informação estão entre os mais promissores caminhos para promover os valores da Organização: a solidariedade, o diálogo, o entendimento entre os povos, a ética e os direitos humanos.  

A violência praticada nas ruas de Paris e arredores na semana passada, assim como a sucessão de atentados que, ano após ano, explode prédios, aviões ou trens, só reforça a necessidade dos valores defendidos pela UNESCO. Cada vez mais, os temas de que esta Organização se ocupa ganham relevância e urgência. E não é à toa.

Na recente cúpula durante a última Assembleia Geral das Nações Unidas, em setembro, em Nova York, a comunidade internacional uniu-se em torno dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, os ODS. Aprovados por unanimidade, os ODS estabelecem metas para o planeta até 2030, em 17 áreas, como educação, saúde e meio ambiente.

Ainda na década de 1970, a preocupação ambiental levou a UNESCO a lançar o Programa O Homem e a Biosfera, que busca conciliar o uso e a conservação de recursos naturais. Daí nossa preocupação, ainda maior, com o recente rompimento da barragem em Mariana (MG). É indispensável que todos somem esforços para minimizar os danos e prevenir futuros desastres.

A UNESCO também coordenou o esforço de seus 195 Estados-membros para a elaboração do recém-aprovado Marco de Ação Educação 2030, conjunto de diretrizes para fazer avançar o direito à aprendizagem. Não resta dúvida de que o acesso universal à escola, acompanhado da oferta de ensino de qualidade, é pressuposto básico para a criação de oportunidades e a redução das desigualdades.

Em 16 de novembro de 1945, representantes de 44 países reunidos em Londres adotaram a Constituição da UNESCO, que sintetiza assim o seu espírito de atuação: "Uma vez que as guerras se iniciam nas mentes dos homens, é nas mentes dos homens que devem ser construídas as defesas da paz". 

No Brasil, a UNESCO trabalha por meio de cooperação técnica com o setor público e privado. Participa de iniciativas como o Pronatec, o Bolsa Família, a prevenção à aids, a parceria com a Central Única das Favelas (Cufa) e o Criança Esperança – este último, uma corrente de solidariedade que apoia projetos sociais, em parceria com a TV Globo e a sociedade brasileira.

Os disparos e as bombas em Paris nos deixam em estado de choque, mas não nos paralisam. Longe disso, só reforçam a certeza de que ainda temos muito a fazer e de que a UNESCO continua mais atual que nunca.

 

*Marlova Jovchelovitch Noleto, diretora da Área Programática da UNESCO no Brasil




<- Back to: Visão Exclusiva do Conteúdo Dinâmico
Voltar ao topo da página