22.06.2012 - UNESCO Office in Brasilia

Poema Gigante expressa sentimentos de todo o mundo sobre oceanos

© UNESCO/André Lima

Um poema gigante, escrito com sentimentos e ideias de pessoas de todas as partes do planeta, cobriu, nesta quinta-feira (20/06), a praia de Copacabana, uma das mais famosas do mundo. Brasileiros, norte-americanos, ingleses, japoneses, franceses, espanhóis e pessoas de diversas nacionalidades que participam da Rio+20 se uniram para refletir sobre a necessidade de conservação dos oceanos.

A iniciativa inédita na América do Sul, criada pelo artista espanhol Angel Arenas, foi lançada pela UNESCO às 10h, no calçadão de Copacabana, na altura da Praça do Lido e do Hotel Copacabana Palace, onde foi estendida uma faixa de 150 metros de cumprimento. Imediatamente o caminho do Poema Gigante começou a ser ocupado por pensamentos e emoções, escritos à mão e em diferentes línguas, sobre os oceanos.

“Na semana passada, inspirado por um sonho tão doce, mais ou menos acordado, sonhei com um mundo generoso e conciliador onde todos seríamos cidadãos de uma mesma nação, habitando uma só terra e um só oceano”, escreveu, em francês, o sub-diretor adjunto da UNESCO para Relações Externas e Comunicação, Eric Falt, primeiro a registrar suas ideias no Poema Gigante.

Falt destacou que a iniciativa é uma forma de chamar a atenção para um dos temas centrais do mandato da Organização: “os países não lembram verdadeiramente da importância da conservação dos oceanos; eles falam em resolver os problemas das florestas e da poluição, mas se esquecem dos oceanos”. Ele alertou ainda que é preciso aumentar a consciência de que “os oceanos estão interconectados e tudo o que acontece em um oceano interfere nos outros”.

“Amor ao mar” resumiu o estudante de Publicidade Bruno Augusto Barbosa de Assis, de 20 anos, que desenvolve no Rio um projeto de divulgação sobre a importância do cuidado com as praias cariocas.

“Uma vida conectada através da água que nós somos. Se protegemos o oceano nós cuidamos de nós mesmos”, dizia outra frase, em espanhol, do chileno Juan Gonzales, ambientalista que participa da Rio+20.
A gari Maria de Fátima Santos, 30 anos, moradora da favela da Maré, também não resistiu e parou o serviço de limpeza do calçadão para expressar seu sentimento de “paixão” pelo mar.

“O Poema Gigante é um espaço para todos os sentimentos daqueles que não são escutados”, relatou emocionado o autor da ideia, Angel Arenas, que já implantou o projeto em 45 países. “Eu estive em prisões, hospitais psiquiátricos, favelas e em lugares castigados pela miséria, onde as pessoas não têm nada, mas têm sentimento. A poesia é mais do que um gênero literário; é a voz interior das pessoas. Muitos pensam que a poesia é para poucos, mas isso não é verdade”, destacou Arenas.

Mais informações




<- Back to: Visão Exclusiva do Conteúdo Dinâmico
Voltar ao topo da página