26.01.2016 - UNESCO Office in Brasilia

Políticas públicas no centro das mudanças para alcançar os Objetivos de Educação até 2030

O Simpósio sobre Políticas de Educação teve duração de três dias e atraiu mais de 200 participantes de 120 países para discutir liderança escolar, monitoramento e avaliação e governança.

O simpósio aconteceu na sede da UNESCO, em Paris, de 18 a 20/01/2016, como parte do trabalho confiado à UNESCO para liderar e coordenar as metas da Agenda de Educação 2030. Em seu discurso de abertura, Qian Tang, diretor-geral assistente da UNESCO para Educação, disse que “o fato de este evento acontecer já no primeiro mês do primeiro ano de implementação na nova Agenda é um indicador do alto comprometimento da UNESCO para engajar os Estados-membros em fazer com que essas metas sejam possíveis de serem atingidas”.

Políticas públicas são cruciais para ajudar os governos no alinhamento entre as reformas na Educação e o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4 (ODS 4) que visa à promoção da educação de qualidade, inclusiva e igualitária.

Em vista do Marco de Ação Educação 2030, o papel das autoridades em educação é central e ainda mais importante na direção de reformas da governança, na formulação de visões estratégicas compartilhadas e na estratégia para governar e gerir os sistemas educacionais.

Fórum oportuno para interessados e Estados-membros

O evento reuniu interessados e Estados-membros para debater os principais resultados e lições de políticas resultantes da análise comparativa global elaborada pela UNESCO nos últimos dois anos e mostrou as conclusões necessárias para guiar os países no alinhamento de suas políticas. 

O simpósio também definiu o papel que a UNESCO desempenha na promoção de projetos eficazes e na implementação de políticas, particularmente por meio da produção e do compartilhamento de conhecimento e melhores práticas, da promoção da cooperação internacional e regional, do desenvolvimento de ferramentas normativas, e do suporte técnico e desenvolvimento de capacidades dos Estados-membros, em especial dos países em desenvolvimento.

Liderança escolar tem potencial inexplorado

O primeiro dia foi dedicado a assuntos relacionados à liderança escolar, com a apresentação dos principais resultados do relatório da UNESCO “Leading better learning: School leadership and quality in the Education 2030 agenda” (Liderando melhor o aprendizado: liderança escolar e qualidade na Agenda de Educação 2030, em tradução livre), que consiste em revisões regionais de políticas e práticas que apoiem a liderança escolar em países em desenvolvimento. Os participantes concordaram que a liderança escolar tem potencial inexplorado para atingir os novos objetivos.

Os participantes debateram a necessidade de Estados-membros e interessados fazerem da liderança escolar uma prioridade na implementação da nova agenda; a importância do desenvolvimento de políticas coerentes para liderança escolar eficiente; a necessidade de profissionalizar a liderança escolar; e a promoção de pesquisa e compartilhamento de conhecimento nessa área.

No segundo dia, os participantes concordaram que sistemas de monitoramento e avaliação deveriam ter um único objetivo: melhorar o ensino e o aprendizado, ou seja, melhorar o que atualmente acontece nas salas de aula.

O chefe da Seção de Políticas de Educação da UNESCO, Francesc Pedró, disse que “os Governos precisam assegurar que, por meio do desenvolvimento de capacidades, informações úteis sejam coletadas e disponibilizadas para serem transformadas em conhecimento, o que, por sua vez, resulta em sabedoria a ser transformada em ação”.  

A governança precisa se adaptar à evolução do cenário

Quando o assunto foi a governança da Educação, Megumi Watanabe, especialista em Programas de Educação e principal autor do relatório sintético da Governança, disse que “nossas abordagens comuns e tradicionais para esse assunto estão em jogo e não parecem levar completamente em consideração os desafios emergentes que os Estados-membros estão enfrentando. O cenário da governança está em constante evolução e não pode mais ser perfeitamente delineado como poderia há apenas duas décadas”.




<- Back to: Visão Exclusiva do Conteúdo Dinâmico
Voltar ao topo da página