04.12.2014 - UNESCO Office in Brasilia

TERCE mostra que o desempenho escolar no nível fundamental avançou na região da América Latina

© INEP Primeiros resultados do estudo regional TERCE no INEP, em Brasília, 4 de dezembro de 2014.

A pontuação média regional nos resultados de aprendizagem melhorou significativamente desde o SERCE, em todos os níveis e áreas avaliados, especialmente em matemática

Laboratório Latino-Americano de Avaliação da Qualidade da Educação, foi lançado hoje (04/12/2014), em âmbito regional, no Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira-INEP em Brasília, Brasil. O estudo foi realizado em 15 países e no estado mexicano de Nuevo Léon e avalia os níveis de desempenho dos alunos no ensino fundamental nas áreas de matemática, ciências e linguagem dos 4º e 7º anos para o Brasil e das 3ª e 6ª séries para os demais países da América Latina. O diferencial em relação a outros estudos internacionais é a inclusão de análise curricular na elaboração das avaliações e a apresentação dos fatores associados ao desempenho dos alunos.

Para analisar os resultados de aprendizagem, desde 2006, em linguagem, matemática e ciências, junto a estudantes da 3ª e a da 6ª séries do nível primário em países da América Latina e o equivalente ao atual 4º. e ao 7º anos no Brasil, o TERCE  garantiu a comparabilidade com o SERCE, estudo anterior com as mesmas características. O TERCE foi capaz de avaliar se os estudantes dos países participantes tiveram progresso quanto aos resultados de aprendizagem, entre 2006 (ano de aplicação do SERCE) e 2013 (ano de aplicação do TERCE), posto que todas as áreas analisadas, com exceção da escrita, foram comparáveis com o segundo estudo, o SERCE, em termos de pontuação.

Os resultados dos estudantes da maioria dos países participantes no TERCE melhoraram significativamente entre o segundo e o terceiro estudo. Apenas em quatro dos 15 países participantes os estudantes tiveram uma pontuação média – em algumas das provas e áreas avaliadas – reduzida de forma significativa entre 2006 e 2013.

Os avanços são animadores, embora sejam necessários esforços adicionais para que os países cumpram com seus compromissos de assegurar uma educação de qualidade para as meninas e os meninos da região.

Os resultados mostram que persistem os desafios relativos à aquisição dos conhecimentos básicos. Não é suficiente frequentar a escola: além disso, é preciso que as crianças aprendam o necessário enquanto são escolarizadas. Se as crianças não adquirem os conhecimentos básicos na escola, aumenta o risco de evasão escolar, bem como persistem as deficiências que, com o passar do tempo, serão agravadas.

A educação primária (a fundamental, no Brasil) é de importância primordial para o Direito à Educação, entendido como o direito a aprender ao longo da vida. Dessa forma, o direito requer que a educação tenha qualidade.
Embora a média nacional do resultado de aprendizagem avaliado por provas como o TERCE represente apenas uma dimensão da qualidade educacional, a eficácia, as competências em leitura, escrita, matemática e ciências são fundamentais, por seu papel central no alcance da alfabetização universal, assim como o aprender a aprender, e avaliar esses aspectos é essencial para a qualidade. A UNESCO espera que as informações fornecidas pelo TERCE sejam úteis para se conhecer mais sobre os níveis de desempenho de aprendizagem como uma das dimensões da qualidade educacional que, juntamente com as outras (relevância, pertinência, equidade e eficiência), promovam avanços em favor da garantia do Direito à Educação na região.

O TERCE é a avaliação do desempenho de estudantes mais representativa da América Latina, e constitui uma base de dados única. Participaram do TERCE mais de 3,2 mil escolas (públicas e privadas) e mais de 134 mil estudantes (cerca de 67 mil por série/ano). Em média, por país, participaram aproximadamente 250 escolas e 9 mil estudantes. A amostra por país é variável, considerando as características da população total, mas sempre é representativa da população de estudantes da 3ª e da 6ª série nos países da América Latina e 4º e 7º anos para o Brasil. Os resultados obtidos pelo estudo refletem, com um alto grau de certeza, o desempenho médio das populações dos países participantes.

O TERCE aplica provas relacionadas a componentes comuns dos currículos escolares da região, em matemática, linguagem e ciências naturais, o que é realizado por meio de uma análise curricular. Esse processo abrange a revisão, a sistematização e a análise do que estabelecem os currículos das diversas áreas a serem avaliadas na região, a fim de determinar domínios conceituais comuns aos estudantes da educação primária/fundamental de todos os países participantes. Como consequência disso, os instrumentos de mensuração são adaptados ao contexto social, cultural e econômico da região.

Para cada série/ano e área, há quatro níveis de desempenho dos estudantes. No Nível I, foram agrupadas as atividades mais fáceis e, no Nível IV, as mais difíceis. Como os níveis são inclusivos, os que alcançam o Nível IV solucionam os itens de todos os níveis anteriores.

Em geral, observa-se uma redução da proporção de estudantes localizados nos níveis mais baixos de desempenho (abaixo do I e Nível I), e um ligeiro aumento na proporção de estudantes que se localizam nos níveis mais altos (III e IV), especialmente no Nível III.

Ainda assim, os Níveis I e II tendem a concentrar mais de 50% dos estudantes da educação primária na região, tanto no SERCE quanto no TERCE. Em particular, a matemática na 3ª série é a área na qual a porcentagem de estudantes no Nível IV teve um maior aumento, passando de 8% para 12%.

No que diz respeito às diferenças de gênero, não existe um padrão de comportamento a todas as provas e a todas as séries/anos. Em leitura, na 3ª e na 6ª série ou 4º e 7º anos no Brasil, predominam os países nos quais as meninas têm uma pontuação média mais alta do que os meninos. Em matemática, na 6ª série ou 7o. ano, tanto no SERCE como no TERCE, as diferenças significativas favorecem os meninos, tanto em âmbito regional como na maioria dos países. Em ciências, considerando os outros países participantes com informações comparáveis, são observadas diferenças e há países nos quais os resultados por gênero se inverteram: enquanto que, no SERCE, foram observadas diferenças significativas a favor dos meninos, no TERCE, as diferenças foram a favor das meninas.

Os resultados do TERCE contribuem ao mostrar o avanço dos resultados de aprendizagem dos estudantes nos países nos quais foi aplicado, bem como os fatores que explicam seu sucesso ou seu atraso. No âmbito dos países, o ponto central é entender as razões de seu sucesso e, assim, produzir conhecimentos sobre a aprendizagem que sirvam a todos os sistemas educacionais. Portanto, a análise deve ser realizada no âmbito do país, uma vez que, ainda que existam elementos comuns entre os países, a região apresenta realidades muito diferentes.

A UNESCO continuará com esses esforços, trabalhando em íntima colaboração com as autoridades nacionais e com todos aqueles que contribuírem para o alcance de uma educação de qualidade para todos, de forma a avançar na direção da desejada garantia do Direito à Educação na região.

Contato para a imprensa:

UNESCO Santiago
Marta Lillo, m.lillo(at)unesco.org

INEP
Noel Lopes Bezerra, noel.bezerra(at)inep.com.br




<- Back to: Visão Exclusiva do Conteúdo Dinâmico
Voltar ao topo da página