06.03.2018 - UNESCO Office in Brasilia

Mensagem da UNESCO para o Dia Internacional da Mulher

Mensagem de Audrey Azoulay, diretora-geral da UNESCO, por ocasião do Dia Internacional da Mulher

Todos os anos, no dia 8 de março, a comunidade internacional celebra o Dia Internacional da Mulher. É uma ocasião para dar ressonância especial, em todo o mundo, à luta para obter igualdade entre homens e mulheres, assim como para lançar iniciativas para aumentar a conscientização e ajudar a mudar as mentalidades.

A promoção da igualdade de gênero é uma das prioridades mundiais da UNESCO. Em todas as áreas do seu mandato – educação, cultura, ciência, comunicação e informação –, a UNESCO está comprometida a estimular o acesso de meninas e mulheres a todos os tipos de educação e formação, eliminando barreiras que impedem seu desenvolvimento pessoal e profissional, e permitindo que elas sejam mais bem representadas na vida cultural, nas ciências e nos meios de comunicação. Seja por meio de seus programas de alfabetização para meninas ou pelo patrocínio de mulheres cientistas já estabelecidas, a UNESCO tem multiplicado suas iniciativas para combater a discriminação contra meninas e mulheres, assim como para promover suas habilidades e talentos.

Este ano, a Comissão das Nações Unidas sobre a Condição Jurídica e Social da Mulher propôs que se destacasse a participação e a representação das mulheres nos meios de comunicação, assim como nas tecnologias de informação e comunicação.

De acordo com um relatório recente*, as desigualdades relativas ao acesso às mídias digitais estão sendo reduzidas em todo o mundo, em todas as sociedades. No entanto, essa tendência geral esconde outra, que é no mínimo preocupante: a diferença crescente entre a quantidade de homens e mulheres com presença online. Em 2016, havia 250 milhões de homens a mais do que mulheres no ambiente online.

As mulheres não estão apenas menos conectadas, mas também são em geral menos treinadas em tecnologias digitais; elas têm menor probabilidade de encontrar emprego no setor de alta tecnologia, e quando encontram, elas têm salários menores do que seus colegas homens. Além disso, jornalistas, blogueiras, autoras, artistas e outras figuras públicas mulheres muitas vezes enfrentam diferentes formas de violência na internet e nas mídias sociais, tais como insultos, ameaças e assédio. Com isso, muitas mulheres preferem se retirar do ciberespaço a se expor a essa violência inaceitável.

A UNESCO está na vanguarda da luta contra discriminações de gênero, por meio da desconstrução de estereótipos que se espalham pelos meios de comunicação. A Organização utiliza seu mandato como agência dedicada à informação e à comunicação para liderar a luta tanto na mídia quanto por meio da mídia.

Este ano, no Dia Internacional da Mulher, a UNESCO está lançando, em colaboração com a Suécia, uma iniciativa divertida e informativa de uma maratona de edição chamada “Edit-a-thon”. A ideia é dar às mulheres mais visibilidade nas páginas da Wikipédia, onde elas são sub-representadas.

Atualmente, apenas uma de cada seis biografias é dedicada a uma mulher. Em uma tentativa de restabelecer o equilíbrio de forma gradual, muitos voluntários virão à Sede da UNESCO e, auxiliados por especialistas da Wikipédia, irão redigir e publicar biografias de mulheres cujas realizações nas áreas de cultura, educação e ciência são inegáveis, mas que ainda não constam na enciclopédia online.

Essa iniciativa, que tem como objetivo combater a violência simbólica que circula no mundo digital e nos meios de comunicação, é apenas um exemplo de uma série de programas lançados pela UNESCO e seus parceiros. Por exemplo, Mulheres Fazem as Notícias (Women Make the News), que este ano comemora seu 19o aniversário, é um encontro anual em que, durante um mês, de 8 de março a 8 de abril, editores-chefes, jornalistas, blogueiros e o público em geral são convidados a realizar o “check-up de igualdade de gênero” para testar seu grau de consciência a respeito da igualdade de gênero. Para possibilitar tal ação, a UNESCO e seus parceiros desenvolveram “indicadores de igualdade de gênero” que serão úteis.

Outra iniciativa apoiada pela UNESCO é a YouthMobile, que tem como objetivo formar jovens na programação de aplicativos móveis de smartphones, para buscar soluções de desenvolvimento sustentável, com foco especial em meninas, que são sub-representadas nesse campo tecnológico de atividade.

A UNESCO encoraja todas as partes interessadas em meios de comunicação e informação a tomar essas iniciativas como inspiração, a propor novas iniciativas e a se mobilizar para promover o respeito a uma verdadeira igualdade entre homens e mulheres nos meios de comunicação.

* Publicado em 2017 pela Broadband Commission for Sustainable Development e a UNESCO.




<- Back to: Visão Exclusiva do Conteúdo Dinâmico
Voltar ao topo da página