27.09.2013 - UNESCO Office in Brasilia

Jovens de Brasil e Cabo Verde trocam experiências em educação sexual e comunicação comunitária

Começa nesta quinta-feira (26/09), às 17h, a Oficina Brasil-Cabo Verde: Educomunicação e Educação em Sexualidade. Promovida pela UNESCO e pelo Programa Jovem de Expressão, a atividade permitirá a troca de experiências entre jovens de Cabo Verde protagonistas de boas práticas em educação sexual nas escolas e jovens de Ceilândia e de Sobradinho 2 premiados por ações em comunicação comunitária, promoção da saúde e redução da violência juvenil.

Durante o encontro, que ocorre em Brasília até o dia 02/10, os jovens caboverdianos irão conhecer os principais espaços do Programa Jovem de Expressão, visitar escolas do DF que desenvolvem ações de prevenção, participar de oficinas de educomunicação e de oficinas com jovens brasileiros que vivem com AIDS. Os temas de Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos (DSDR) também perpassarão todas as oficinas, permitindo aos jovens brasileiros incorporar novos conhecimentos em suas ações de comunicação para a saúde.

O Jovem de Expressão é um programa social que promove a saúde dos jovens entre 18 e 29 anos para diminuir sua exposição à violência e vulnerabilidade às DST/Aids e fomenta o empreendedorismo. É realizado pelo Grupo Caixa Seguros em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO no Brasil), o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), e Central Única das Favelas do Distrito Federal (Cufa/DF).

Educação em sexualidade

É missão da UNESCO oferecer cooperação técnica aos Ministérios da Educação e da Saúde do Brasil nas temáticas relativas à educação preventiva para DSTs, à infecção pelo HIV, à gravidez juvenil e à promoção da saúde nas escolas. O objetivo é integrar os setores de educação e saúde com enfoque na promoção da saúde sexual e reprodutiva de jovens estudantes.

Segundo informações do IBGE, o acesso à escola no Brasil é de 97,4% para a população de 6 a 14 anos e de 87,7% na faixa etária de 15 e 19 anos de idade, independentemente da situação econômica familiar. Além disso, 89,4% dos estudantes das escolas particulares e 87,5% dos alunos das escolas públicas dizem receber orientação sobre DSTs e AIDS, sendo que 71,4% dos alunos de escolas públicas e 65,8% de escolas privadas recebem orientação sobre como adquirir gratuitamente preservativos.

"A escola deve ser um espaço laico para a melhor formação do indivíduo e de sua saúde. Não adianta esconder, fugir e evitar o assunto. Melhor enfrentá-lo, ensinar meninos e meninas e instruir como se proteger de eventuais doenças. Isso é inteligente, saudável e proporciona conhecimento específico a quem dele necessita", destaca a Oficial de Educação da UNESCO no Brasil, Mariana Braga. Segundo ela, a gravidez juvenil aumentou 15% entre 1980 e 2000 e já é a principal causa de evasão escolar de meninas no Brasil (10,8% do total). Os casos de AIDS também preocupam, já que os jovens de 13 a 29 anos constituem 27,6% do total de portadores de HIV do país.

Contatos para mais informações:

UNESCO no Brasil – Unidade de Comunicação
Ana Lúcia Guimarães, (61) 2106-3536 e (61) 2106-3538
Vinícius Carvalho, (61) 9823-4020




<- Back to: Visão Exclusiva do Conteúdo Dinâmico
Voltar ao topo da página