Pesquisa Juventudes e Sexualidade no Brasil

O livro Juventudes e sexualidade resulta de uma pesquisa realizada em 13 capitais (Belém, Cuiabá, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Maceió, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo e Vitória) e no Distrito Federal.

Abrange diferentes aspectos da vida sexual dos jovens, tais como a iniciação sexual, comportamentos diversificados como o "ficar" e o namorar, a iniciação sexual cada vez mais precoce, o conhecimento e as informações que possuem sobre métodos anticoncepcionais, de prevenção da gravidez e de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).

No livro também se faz uma discussão sobre como os jovens encaminham as negociações entre eles a respeito da utilização desses métodos, além de problemáticas como a gravidez juvenil e o aborto. Analisa-se ainda, a partir de diálogos com os adultos, os diversos tipos de violência e abordagens desenvolvidas pela escola a respeito da sexualidade. 

A pesquisa indica que os jovens, apesar da precocidade da vida sexual, tendem a ter contatos com apenas um parceiro - o que remete a um questionamento do senso-comum sobre a suposta "promiscuidade" sexual juvenil.

A gravidez juvenil é um tema de destaque no estudo: a maioria dos alunos  e professores afirmam ter contato com adolescentes grávidas nas escolas.

No que diz respeito à violência, mostra a pesquisa, muitos jovens ainda estão vulneráveis e já sofreram violências de várias ordens (tais como assédio, estupro e discriminação por conta de gênero e orientação sexual).

A discriminação em relação aos homossexuais é um aspecto de grande relevância que aparece em dados como o seguinte: cerca de um quarto dos alunos afirma que não gostaria de ter um colega homossexual.

A pesquisa também indica uma certa vulnerabilidade negativa dos jovens no campo da sexualidade. Nesse sentido, faz-se necessário a implantação de políticas públicas, assim como o auxílio do ambiente escolar para suprir a carência de informação do jovem acerca da sexualidade.

Entretanto, além das vulnerabilidades negativas, percebe-se as  "vulnerabilidades positivas" entre os jovens, como a impulsividade e as curiosidades pelas possibilidades do seu corpo e das relações com o parceiro.

Finalmente, também foram registrados na pesquisa questionamentos sobre estereótipos, tabus, preconceitos e a vontade de saber e construir relacionamentos mais ricos e afetuosos, atribuindo sentidos positivos  para as relações.

Esta obra impressa se encontra esgotada na Representação da UNESCO no Brasil. Como a mesma foi largamente distribuída em variadas localidades brasileiras, para universidades federais, bibliotecas públicas e universitárias e várias entidades governamentais federais, estaduais e municipais, sugerimos que se dirija a alguma destas instituições para poder ter acesso a esta publicação. Mas a publicação se encontra disponível em pdf para donwload gratuito:

Informações adicionais sobre a publicação

Voltar ao topo da página