Desenvolvimento de mídia no Brasil

@ Elza Fiúza- ABr -
Deputy Director of UNESCO in Brazil, Lucien Muñoz; EBC President-Director, Tereza Cruvinel, and EBC Council President, Ima Guimarães Vieira

A abordagem da UNESCO sobre o desenvolvimento de mídia inclui atividades que sejam sensíveis ao contexto e que também levem em consideração os desafios e oportunidades criados por um ambiente de mídia sujeito a rápidas mudanças. O Programa Internacional de Desenvolvimento da Comunicação (International Programme for the Development of Communication - IPDC) é o fórum multilateral único no Sistema das Nações Unidas que objetiva mobilizar a comunidade internacional para apoiar a mídia em países em desenvolvimento por meio de um processo de concessões.

O Conselho do IPDC, composto por 39 Estados-membros da UNESCO, também é o fórum pelo qual a diretora-geral da UNESCO submete o relatório sobre a segurança de jornalistas e questões de impunidade (Report on The Safety of Journalists and the Issue of Impunity).

Os indicadores de desenvolvimento da mídia (Media Development Indicators  - MDI) do IPDC são uma ferramenta de pesquisa abrangente que destaca as falhas no desenvolvimento de mídia a fim de guiar estratégias de políticas públicas e de doadores. Os resultados de pesquisa encontrados nos MDI, em conjunto com os relatórios de milhares de projetos do IPDC, somam a iniciativa do IPDC para o “desenvolvimento de mídia baseado no conhecimento”.   are a comprehensive research tool that highlights gaps in media development and so informs public policy and donor strategies. The MDI research findings, along with the reports on thousands of IPDC projects to date, add to IPDC’s initiative for “knowledge-driven media development”. 

O apoio à educação jornalística é uma parte importante do desenvolvimento da mídia livre e independente, e a UNESCO promove a excelência em escolas de jornalismo no mundo todo, além de currículos inovadores a fim de assistir o ensino de novas disciplinas e capacitações a jornalistas. 

Padrões profissionais jornalísticos e código de ética

A UNECO fornece em seu portal uma seção (site) de recursos de conhecimento público sobre questões de responsabilidade da mídia e provê uma visão geral dos mecanismos existentes sobre responsabilidade da mídia em vários países. Além disso, o site fornece padrões relevantes de mídia em vários países referentes a liberdade de expressão, acesso à informação e padrões profissionais em jornalismo. O site apresenta três temáticas principais: legislação e regulação de mídia; órgãos reguladores e códigos de ética. 

A seção do site inclui ainda materiais como publicações, sites e contatos úteis, onde é possível encontrar mais informações relevantes sobre os temas acima citados: http://www.unesco.org/new/en/communication-and-information/freedom-of-expression/professional-journalistic-standards-and-code-of-ethics/

Desenvolvimento da mídia no Brasil

A Constituição Federal brasileira assegura aos cidadãos um amplo acesso à informação a partir de diferentes e variadas fontes, dentro de um ambiente democrático que garanta as liberdades de expressão e de imprensa. Entretanto, a realidade demonstra que o país tem ainda um longo caminho pela frente em relação a diversificar suas fontes de informação, o que poderia incluir, por exemplo, canais governamentais e comunitários.
Além da mídia comercial, com cerca de 500 veículos de comunicação, a Constituição Federal de 1988 preconiza a existência de dois outros sistemas, o estatal e o público, que têm por missão divulgar as atividades dos poderes públicos.

  • O governo brasileiro recém criou um modelo de Empresa Pública de Comunicação, financiada pelo orçamento da União, porém com garantia institucional de liberdade editorial, e também um amplo setor de mídia comunitária.
  • As mídias institucionais dos poderes legislativo e judiciário nos planos federal, estadual e municipal também têm crescido expressivamente, o que contribui para maior acesso às informações produzidas por esses atores.

Capacitação de profissionais de mídia no Brasil:

É cada vez mais atual, no contexto brasileiro, a preocupação com a eficácia, a efetividade e a eficiência dos cursos superiores de jornalismo, especialmente no que diz respeito à sua capacidade de formar profissionais da imprensa com habilidade em cobrir a complexa agenda dos direitos humanos e do desenvolvimento humano.

  • Existe a necessidade de se aprimorar a qualidade dos centros de formação de futuros jornalistas e de ampliar a oferta de ferramentas destinadas à cooperação com as redações – destaque para a mídia comunitária – na direção de garantir cobertura mais sintonizada com a agenda dos direitos humanos.
Voltar ao topo da página