Economia criativa

© UNESCO\Dom João

As atividades do setor cultural agora contam com 6,1% da economia mundial. Elas geram uma renda anual de US$ 2,25 bilhões e quase 30 milhões de empregos no mundo, empregando mais pessoas com idades entre 15 e 29 que qualquer outro setor. A indústrias culturais e criativas se tornaram essenciais para o crescimento econômico inclusivo, reduzindo as desigualdades e colaborando para o desenvolvimento sustentável. Elas estão entre os setores que mais crescem no mundo.

No mundo interligado atual, é claro o poder da cultura de transformar as sociedades. Suas diversas manifestações – desde nossos estimados museus e monumentos históricos até práticas tradicionais e formas artísticas contemporâneas – enriquecem nossa vida diária de maneiras incontáveis.

Tanto o patrimônio cultural quanto a criatividade lançam suas bases para a construção de sociedades do conhecimento vibrantes, inovadoras e prósperas. O patrimônio cultural constitui uma fonte de identidade e coesão para as comunidades conturbadas por mudanças desorientadoras e instabilidade econômica. A criatividade contribui para a construção de sociedades abertas, inclusivas e pluralistas.

Somente uma abordagem centrada no ser humano para o desenvolvimento, baseada no respeito mútuo e no diálogo aberto entre as culturas, pode levar a resultados sustentáveis, inclusivos e equitativos. No entanto, até recentemente, a cultura não estava incluída na equação de desenvolvimento.

A UNESCO defende a cultura e o desenvolvimento, enquanto se une à comunidade internacional para definir políticas e estruturas legais claras e apoiar governos e partes interessadas nacionais a salvaguardar o patrimônio, fortalecer as indústrias criativas e incentivar a diversidade de expressões culturais de forma a garantir que a cultura ocupe um lugar legítimo nas estratégias e nos processos de desenvolvimento.

As Convenções da UNESCO na área de cultura

As Convenções da UNESCO na área de cultura oferecem uma plataforma global única para a cooperação internacional e estabelecem um sistema holístico de governança cultural com base em direitos humanos e valores compartilhados. Esses tratados internacionais buscam proteger e salvaguardar o patrimônio cultural e natural do mundo, incluindo sítios arqueológicos antigos, o patrimônio imaterial e o subaquático, os acervos de museus, as tradições orais, bem como outras formas de patrimônio. Além disso, apoia a criatividade, a inovação e o surgimento de setores culturais dinâmicos.

Voltar ao topo da página