O papel da cultura no desenvolvimento sustentável

© UNESCO\Dom João
Fotógrafo em uma feira popular no Brasil.

É imperativo integrar sistematicamente as especificidades culturais na concepção, na medida e na prática do desenvolvimento, já que isso garante o envolvimento de populações locais e o resultado satisfatório dos esforços para se atingir o desenvolvimento.

O turismo sustentável, as indústrias culturais e criativas, bem como a revitalização urbana baseada em seu patrimônio são poderosos subsetores econômicos que geram empregos verdes, estimulam o desenvolvimento local e incentivam a criatividade. 

Os sistemas de conhecimentos autóctones e indígenas, bem como as práticas de gerenciamento ambiental, proveem valiosos critérios e ferramentas para enfrentar desafios ecológicos, prevenir perdas de biodiversidade, reduzir a degradação de terras e mitigar os efeitos da mudança climática.

Na transição para as sociedades verdes, o diálogo e a tolerância serão pontos-chave para o entendimento mútuo e para a construção de alianças entre nações e países, levando à cultura de paz, a qual é um pré-requisito para o desenvolvimento sustentável. Nesse contexto, devemos aproveitar ao máximo a diversidade cultural do mundo, já que ela promove o desenvolvimento e a coesão social.

Apesar de haver muito a ser feito para integrar completamente a cultura nas políticas internacionais de desenvolvimento, a Rio+20 foi um passo importante na inclusão do papel da cultura. Agora, é preciso progredir nessa questão para garantir a habilidade do setor cultural de apoiar o desenvolvimento sustentável, verdadeiramente e com a ajuda de todos; e para que a cultura torne-se uma das chaves para o marco de desenvolvimento após 2015. 

Links relacionados (em inglês):

Voltar ao topo da página