Ensino médio no Brasil

A pobreza no mundo poderia ser reduzida pela metade em quase uma geração se todos os adultos completassem a educação secundária superior (ensino médio), segundo as recentes descobertas do UNESCO-UIS e dos Relatórios de Monitoramento Global de Educação.

A educação é a chave para o desenvolvimento de indivíduos, famílias, comunidades e sociedades. Ela fornece às pessoas os conhecimentos e as habilidades que aumentam sua produtividade e as torna menos vulneráveis a riscos. Estima-se, em média, que um ano de escolarização aumenta as remunerações salariais em 10%. Contudo, a juventude tem quatro vezes mais chance de ficar fora da escola quando são crianças, e tem duas vezes mais chance quando são adolescentes. A base de dados do UNESCO-UIS mostra que, em 2000, havia 185,5 milhões de estudantes fora da escola com idade escolar no nível da educação secundária (entre 15 e 17 anos). Em 2015, este número diminuiu para 141 milhões.

Apesar disso, a taxa de estudantes fora da escola ainda estão alta, e isso se deve a diversas razões como, a pobreza, a falta de oportunidade de acesso à escola, a não obrigatoriedade da conclusão da educação secundária superior em muitos países, ou pelo fato de os jovens desistirem de frequentar a escola para trabalhar (UNESCO-UIS; Relatório GEM, 2016).

Os índices de conclusão são ainda mais baixos que os de matrícula. Por exemplo, em países de renda baixa, 62% dos adolescentes foram matriculados em 2015, porém apenas 27% deles concluíram a educação secundária no período entre 2008 e 2014 (UNESCO, 2016). Com frequência, mesmo quando completam o ciclo educacional, os jovens não obtêm as habilidades esperadas devido à baixa qualidade da educação. Vários estudos têm demonstrado que os baixos níveis da qualidade da educação e a fraca aquisição de habilidades dificultam o crescimento econômico, que, por sua vez, retarda a redução da pobreza.

De acordo com uma revisão de 64 estudos, em algumas condições, a expansão igualitária da educação ajuda a reduzir a desigualdade. Em particular, assegurar que a maioria das pessoas complete o nível secundário de ensino é uma condição essencial para reduzir a desigualdade nos países. No Brasil, a desigualdade de renda, conforme capturado pelo coeficiente de Gini, reduziu em cerca de sete pontos percentuais em duas décadas, ao passo que a parcela da população com educação secundária aumentou (Abdullah et al., 2015).

Uma gama de caminhos para o desenvolvimento da educação pode ser efetiva para aumentar o crescimento econômico e reduzir a pobreza. Um desses caminhos é a integração da educação secundária na educação e formação técnica e profissional (EFTP) que pode ligar a educação e o mundo do trabalho.  A EFTP visa a tratar de demandas econômicas, sociais e ambientais ao ajudar os jovens e os adultos a desenvolver suas habilidades que precisam para adquirem emprego, trabalho decente e empreendedorismo. Assim, a EFTP promove o crescimento econômico igualitário, inclusivo e sustentável, além de dar assistência a transições para economias verdes e digitais.

Reformas sustentáveis na área da educação podem ser a resposta para os países que enfrentam desafios econômicos; a UNESCO oferece assistência técnica em análises de políticas educacionais, na elaboração de planos nacionais de desenvolvimento da educação, bem como em mobilizações para o apoio de prioridades nacionais nessa área, como reforma curricular, políticas para docentes e educação em tecnologias de informação e comunicação (TIC). Desde 1997, a UNESCO no Brasil tem acompanhado e prestado apoio às ações nacionais, sobretudo para implementar a reforma do ensino médio.

No processo para definir agendas de desenvolvimento regional e nacional ligadas ao diálogo mundial sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável após 2015, a visão de currículo como um instrumento para criar oportunidades de aprendizagem ao longo da vida o coloca no centro das discussões sobre coesão, inclusão, equidade e desenvolvimento. Nesse processo, a UNESCO no Brasil apoia o desenvolvimento de políticas públicas que possam de fato contribuir para a melhoria do sistema educacional de ensino médio, por meio de pesquisas, publicações, promoção de debates e acordos de cooperação técnica.

A UNESCO tem procurado sensibilizar o governo brasileiro sobre a necessidade de diversificar estruturas e expandir a oferta do ensino médio, inclusive por meio de:

  • uso das TIC e alfabetização midiática e informacional
  • valorização da profissão docente 
  • formação de profissionais de educação competentes e atualizados
  • inclusão de temas transversais no currículo escolar com ênfase nos valores éticos e cívicos, como os princípios e conceitos dos direitos humanos, ética, filosofia e sustentabilidade
  • o desenvolvimento de mecanismos permanentes de participação dos alunos e da comunidade escolar na discussão do processo de avaliação da escola, do trabalho pedagógico e de seus resultados

Estes enfoques indicam que o mais importante é ter uma educação básica de boa qualidade, que permita um processo de aprendizagem permanente ao longo de toda a vida.

Voltar ao topo da página