Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos

© UNESCO

O Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos (World Water Development Report – WWDR), é publicado anualmente com foco em diversas questões estratégicas sobre os recursos hídricos. É uma revisão abrangente que oferece um quadro geral do estado dos recursos de água potável no mundo, e visa a fornecer a tomadores de decisão as ferramentas sustentáveis a serem utilizadas para nossa água.

Por meio de uma série de avaliações, os Relatórios fornecem um mecanismo de monitoramento das mudanças nos recursos e na sua gestão, além de acompanhar o progresso rumo ao alcance de metas, sobretudo aquelas definidas pelos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM, 2000-2015), e agora as definidas pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS, 2016-2030). Os Relatórios também oferecem as melhores práticas, bem como análises teóricas profundas para ajudar a estimular ideias e ações para melhor gestão da água.

O desenvolvimento do WWDR, coordenado pelo WWAP, é um esforço conjunto das agências das Nações Unidas e outras entidades que compõem a ONU-Água, que trabalha em parceria com governos, organizações internacionais, organizações não governamentais e outras partes interessadas.

Além de normalmente ser publicada em inglês, francês e espanhol, cada edição do Relatório tem sido acompanhada por publicações associadas, também produzidas em outros idiomas, tais como o “Resumo executivo” e os “Fatos e dados”. Desde 2015, a Representação da UNESCO no Brasil, com o apoio da Agência Nacional de Águas (ANA) e do WWAP, tem produzido a edição em português dessas duas publicações associadas. 

RELATÓRIO WWDR 2018

©UN-Water

A edição de 2018 do WWDR tem como foco as soluções baseadas na natureza (SbN) ou em inglês, nature-based solutions (NBS). As SbN são inspiradas e apoiadas pela natureza e usam, ou simulam, processos naturais a fim de contribuir para o aperfeiçoamento da gestão da água, para melhorar a segurança hídrica e para oferecer cobenefícios vitais em todos os aspectos do desenvolvimento sustentável.

As soluções baseadas na natureza são fundamentais para alcançar os Objetivos e as Metas relacionadas à água da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. 

Em particular:

  • As SbN geram cobenefícios sociais, econômicos e ambientais, incluindo a saúde humana e os meios de subsistência, a segurança alimentar e energética, o crescimento econômico sustentável, a reabilitação de ecossistemas e a biodiversidade.
  • A gestão de recursos hídricos ainda é amplamente dominada pela tradicional infraestrutura hídrica “cinza” (construída/física), enquanto o enorme potencial para as SbN permanece subutilizado. O objetivo consiste em encontrar um equilíbrio entre as soluções “verdes” (fornecidas pela natureza) e as “cinzas”, para melhorar a eficiência e minimizar os custos.
  • A erradicação da pobreza e o cumprimento de todos os direitos humanos dependem da nossa capacidade de atender às necessidades de desenvolvimento, ao mesmo tempo em que protegemos e preservamos o meio ambiente, do qual dependem todas as formas de vida.
  • A segurança hídrica sustentável não será alcançada sem que sejam tomadas soluções inovadoras. Nesse sentido, as SbN são um meio essencial de ir além das abordagens convencionais.

Trabalhar com a natureza melhora a gestão dos recursos hídricos, ajuda a alcançar a segurança dos recursos hídricos para todos, além de apoiar o desenvolvimento sustentável.

A edição das publicações em português de 2018 também foi possível com o valioso apoio da ANA.

O Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos (WWDR 2018) será apresentado no 8º Fórum Mundial de Águas, em Brasília (Brasil), em 19 de março de 2018.

Lançamento do WWDR 2018:

Baixe o WWDR 2018:

Cite como: "WWAP (United Nations World Water Assessment Programme). Relatório mundial das Nações Unidas sobre desenvolvimento dos recursos hídricos 2018: soluções baseadas na natureza para a gestão da água. Paris, UNESCO, 2018".


Links relacionados:

Voltar ao topo da página