Gênero e mídia

Training workshop for young film makers, Beirut, Lebanon - © UNESCO/George Awad

A habilidade da mulher de tirar vantagem das tecnologias de Comunicação  informação (TIC) depende das políticas condutivas, de um ambiente viável em seus países para extender a infraestrutura de comunicação até onde as mulheres vivem, e de níveis educacionais elevados.

As tecnologia de informação e Comunicação (TIC) estão transformando a economia global e criando novas redes que vão além dos continentes e culturas.

No entanto, ainda mantêm notáveis as disparidades a uma extensão da qual o acesso e as habilidades estejam disponíveis. Os benefícios do conhecimento e da tecnologia não estão disponíveis para a grande maioria da população do mundo. Países em desenvolvimento, ao fracassar na resposta de transformação que o desenvolvimento das TIC tem produzido, serão severamente prejudicados quando participarem da economia global.

Não somente essas diferenças afetam as nações em desenvolvimento e comunidades desfavorecidas, como também as disparidades significantes que existem em algumas sociedades. Em geral e na maioria dos casos, as mulheres encontram-se excluídas de oportunidades sociais e econômicas igualitárias e de benefícios oferecidos pelas TIC.

Há relações de poder desiguais em nossas sociedades que contribuem com as diferenças no acesso, na participação e no tratamento de homens e mulheres face ao acesso e ao controle das TIC. Sem a participação das mulheres na tomada de decisão em todas as esferas da vida e em todos os níveis da sociedade, a pobreza não será erradicada e nem sociedades verdadeiramente democráticas serão criadas. O acesso limitado às TIC para mulheres também tem afetado na redução da competitividade dos países no mercado global.

Esforços vigorosos serão necessários para aproveitar as oportunidades oferecidas pela Cúpula Mundial em Sociedades da Informação (World Summit on Information Societies - WSIS) em amenizar a disparidade de gênero já aparente na sociedade da informação emergente. Para ajudar a conseguir este desafio, a UNESCO deseja fomentar a participação mais ampla possível de tomadores de decisão, comunidades profissionais, representantes da sociedade civil, parceiros bilaterais e multilaterais e setor privado. Juntos partirão para:

  • discutir iniciativas em andamento sobre gênero e TIC;
  • conscientizar a sociedade sobre barreiras relacionadas a gênero no acesso às TIC;
  • incluir mulheres como líderes e tomadoras de decisão;
  • facilitar a melhor compreensão das necessidades e rumos no marco de ação em gênero e TIC;
  • prestar assistência;
  • apoiar soluções e conteúdos locais; e finalmente também
  • colocar em prática os compromissos previamente assumidos nas Conferências e Cúpulas da ONU, particularmente nas Conferências Mundiais sobre Mulheres ocorridas em Nairobi e em Beijing, bem como no Seminário de Kuala Lumpur.
Voltar ao topo da página