Restos de explorações marítimas

Os seres humanos, desde tempos primórdios, vivem perto do mar, dos rios e dos lagos. Os restos dos portos, das pontes e das instalações de pesca são testemunhas desta conexão.

Portos

Muitos portos são muito antigos. Alguns deles funcionam ainda e outros foram abandonados ou esquecidos. Seus quebra-mares, suas proteções e seus edifícios podem dar evidências de seus tamanhos. Navios naufragados são frequentemente situados também nestes portos ou em seus arredores.

Exemplos de instalações portuárias:

  • Hedeby, Alemanha, onde foram encontrados os restos de um porto comercial Viking destruído em 1050 dC.
  • As ruínas do antigo porto de Óstia, Perto de Roma.
  • Na Baía de Nápoles é possível admirar os restos do “Portus Iulius” (Itália).
  • Em Istambul, as ruínas de um grande porto bizantino que data do século IV aC contém o assentamento mais antigo da cidade, o muro mais antigo da cidade e pelo menos 22 naufrágios.
  • Na baía da ilha de Brioni na Croácia estão os restos bem conservados de um porto romano.
  • Em Israel, os restos do porto de Cesaréia - fundado pelo Rei Herodes 22 aC - é um paraíso subaquático para mergulhadores.
  • Perto de Tunis, pode-se admirar as ruínas da base naval de Cartago, datado de 814 aC (Tunísia).
  • No Líbano, os vestígios do porto fenício de Tiro.

Pontes e outras estruturas

Vestígios submersos de outros tipos foram encontrados, como algumas estruturas aquáticas e pontes, no fundo dos rios e lagos. Exemplos:

  • A mais antiga ponte sobre o rio Tâmisa, datada de 1400-1300 aC-C (Inglaterra).
  • Uma ponte de madeira, 120 metros de comprimento sobre o rio Shannon, datada de 804 aC C. (Irlanda).
  • Um forte marinho do século XVIII descoberto na baía de Tallin (Estónia).
  • Uma ponte submersa (49 metros de profundidade) no lago Murray, Carolina do Sul (Estados Unidos).

Armadilhas para peixes

Alguns dos nossos antepassados, usavam armadilhas para pescar. Alguns vestígios dessas armadilhas ainda podem ser encontrados. Testemunhas de uma das mais antigas tecnologias existentes, as armadilhas para peixes têm diversas formas: Algumas vezes são como “lagos artificiais”, construídos com pedras, ou como muros também construídos com pedras da praia, que podem ter centenas de metros de comprimento, outras vezes essas armadilhas são construídas utilizando postes de madeira cobertos por plantas e colocados no meio de um rio, um estuário ou perto da costa então os peixes eram geralmente empurrados para dentro de um tanque, onde eram recuperados.

Vestígios de antigas armadilhas para peixes e moluscos podem ser encontrados:

  • Na costa sudoeste da Cidade do Cabo, na África do Sul.
  • Na Baía de Caernarvon, no norte de Gales e na Dinamarca, onde há armadilhas para peixes da Idade da Pedra.
  • Nas Ilhas do Pacífico, incluindo o Havaí, as antigas armadilhas são consideradas sagradas.
  • No Canadá, há armadilhas feitas por tribos indígenas entre 7500 e 3500 aC.
  • Na Austrália, onde aborígenes usavam as armadilhas para peixes no lago Condah e no rio Darling.

Instrumentos técnicos

Também encontrados no fundo do mar, alguns equipamentos ilustram o desenvolvimento das técnicas de navegação e como os seres humanos da época de cada um desses naufrágios compreendiam o universo.

Os restos de mecanismos complexos que foram encontradas são raros e marcantes:

  • Vários astrolábios foram encontrados em naufrágios. Trata-se de antigos instrumentos astronômicos usados para localizar e prever as posições do sol, da lua e das estrelas. Eles podem ajudar a calcular o tempo local, com base na latitude de um ponto;
  • O misterioso Antikythera foi encontrado em um naufrágio descoberto ao largo da costa grega, instrumento complexo criado em torno de 100 aC, o Antikythera é considerado o mais antigo computador analógico do mundo conhecido. Supõe-se que esse mecanismo foi utilizado para calcular as posições astronômicas e os eclipses do sol e da lua.  

Você sabia?

Uma magnífica estátua de bronze de um jóquei foi recuperada entre as peças encontradas no naufrágio em Artemisa...  Mais