Preparação para enfrentar desastres e situações de pós-crise

Tsunami, Japan, 2011 © Mainichi Shinbun

A frequência dos desastres naturais tem aumentado cerca de cinco vezes desde os anos de 1970. Esse aumento pode ser parcialmente atribuído à mudança climática, ao desenvolvimento não sustentável e aos fatores extremos do clima. À medida que o tempo passa, maiores populações estão em risco, sobretudo em países desenvolvidos. A escassez de recursos naturais e as situações de dificuldade para viver, decorrentes desses desastres, podem levar a conflitos.  

Os conflitos enfraquecem as perspectivas para impulsionar o crescimento sustentável da economia, reduzindo a pobreza e atingindo os Objetivos de Desenvolvimento Acordados Internacionalmente (IADGs). O desenvolvimento sustentável não pode ser alcançado sem a paz. Assim, a prioridade deve ser dada para a promoção da cultura de paz e da não violência, bem como para a defesa do entendimento mútuo. Isso envolve a educação, a cooperação científica, a ênfase no papel da diversidade cultural, do diálogo intercultural e da preservação do patrimônio em todas as suas formas, além do foco no papel da mídia. Isso também envolve as atividades para lidar com serviços desorganizados ou disfuncionais nas áreas de educação, cultura ou mídia, em situações de pós-conflito ou de pós-desastre. Quando se está apoiando processos de recuperação e de reconstrução pós-conflito, atenção especial deve ser dada às causas do conflito e ao estímulo de esforços para o diálogo nacional e para a reconciliação, para assim mitigar o risco de que o conflito seja reativado. Maior apoio também é necessário na prevenção e na preparação para desastres, incluindo sistemas de alerta e de previsão, disseminação de medidas de mitigação e de informações adequadas, de educação e de conscientização pública.

Saiba mais:

Voltar ao topo da página