ResiliArt

ResiliArt Angola

Movimento global ResiliArt da UNESCO

A crise sanitária provocada pelo novo coronavírus mergulhou a economia global numa recessão. Enquanto milhares de milhões de pessoas em todo o mundo se voltam para a cultura como fonte de conforto e ligação, o impacto da COVID-19 não poupou o sector criativo. A UNESCO lançou a ResiliArt, para destacar o estado actual das indústrias criativas através de discussões virtuais.  O seu objectivo é assegurar a continuidade das conversas, a partilha de dados e os esforços de advocacia muito depois dos subsídios pandémicos.

Actualmente, mais de 100 países desenvolveram os seus próprios movimentos ResiliArt. Angola é um deles!

UNESCO’s global movement - ResiliArt

A ResiliArt Angola foi lançada pelas American Schools of Angola (ASA) em Abril de 2021, sob a égide da Bienal de Luanda e como parte do Movimento global ResiliArt da UNESCO. Logo após a sua criação, o enfoque da ResiliArt Angola passou do debate sobre como apoiar os artistas e a criatividade para além da crise da COVID-19, à identificação de caminhos concretos para proporcionar aos jovens artistas oportunidades de melhorar as suas competências e de obter um rendimento.

A ideia de juntar jovens artistas angolanos e internacionais e de criar residências lideradas por artistas estabelecidos, como referido por Marcos Agostinho, Director Executivo de ASA, é o resultado de uma simples observação: os artistas africanos e especificamente locais em Angola precisam de apoio agora mais do que nunca.

Exposição ResiliArt Angola
ResiliArt Angola
Exposição ResiliArt Angola
ResiliArt Angola
Exposição ResiliArt Angola
ResiliArt Angola
Exposição ResiliArt Angola
ResiliArt Angola

Em Abril de 2021, durante a celebração do Dia Internacional do Jazz da UNESCO, 9 artistas plásticos desconhecidos (8 angolanos e 1 refugiada do ACNUR) e 5 músicos emergentes foram encarregues de exibir os seus trabalhos. Pouco tempo depois, o que começou como um evento único, tornou-se num programa de formação que incluiu workshops, residências artísticas, intercâmbios culturais e exposições em benefício de 30 artistas plásticos emergentes desconhecidos e dos músicos. 

Estas residências inovadoras permitiram aos artistas de aprender directamente com artistas estabelecidos, melhorar as suas competências e ganhar visibilidade. As residências também ofereceram aos jovens artistas emergentes a necessária “interacção social, crescimento intelectual e educação” para se desenvolverem.

A história da ResiliArt Angola não pára aqui. Com base neste sucesso, as American Schools of Angola deram o próximo passo: olhar para além do “outro lado do Atlântico” e relacionar artistas africanos e da diáspora através de uma parceria com a cidade de Newark em New Jersey, EUA.  

A cidade de Newark comprometeu-se agora a acolher 10 artistas angolanos (5 em artes visuais e 5 músicos) que actuarão no Centro de Artes Performativas de New Jersey e que apresentarão o seu trabalho no Museu Nacional de Newark. Em troca, em apenas alguns meses, Luanda acolherá 10 jovens artistas americanos que irão actuar e exibir as suas obras no Dia Internacional do Jazz de 29-30 de Abril & 1 de Maio.  

O sonho é agora que o modelo ResiliArt Angola se repita anualmente e se expanda para outros países africanos nos PALOP (países africanos de língua oficial portuguesa) e na África Central.

ResiliArt Angola
Descubra a Residência ResiliArt Angola na ASA!
ResiliArt Angola