Artículo

Conheça Pauline Batista, Jovem Líder da Bienal de Luanda 2021

Pauline Batista

O meu nome é Pauline Batista, e entre o dia 27 de Novembro e 2 de Dezembro de 2021 participei na 2ª edição da Bienal de Luanda como Jovem Líder do Diálogo Intergeracional

Em parceria com a Rede Pan-Africana da Juventude para a Cultura de Paz (PAYNCoP), a UNESCO seleccionou inicialmente 118 jovens de países africanos e da Diáspora. Senti-me surpreendido por ter sido seleccionada entre os 10 jovens líderes que iriam voar para Luanda para participar na Bienal. O convite foi enviado por engano, perguntei-me? Brincadeiras à parte, poderia escrever longamente sobre os detalhes da minha experiência, desde o intercâmbio com Chefes de Estado de vários países - o presidente anfitrião João Manuel Gonçalves Lourenço (Angola), Marcelo Rebelo de Sousa (Portugal), Epsy Campbell Barr (Costa Rica), e muitos outros - até ao encontro com jovens de todo o mundo, mas hoje concentrar-me-ei ao nosso trabalho como jovem.

Foi o meu trabalho de investigação que chamou a atenção do comité de selecção, uma vez que é fundamental para a UNESCO e para a forma como as escolas dos países do Sul Global se envolvem com as convenções da UNESCO e as suas normas. Ser seleccionada colocou uma responsabilidade colossal sobre os meus ombros, mas também me deu a oportunidade de estar no centro das atenções e colaborar com outros jovens que fazem um trabalho notável para mudar narrativas sobre África e Afrodescendentes.

Concentrei-me em "A Contribuição das Artes, Cultura e Património para uma Paz Sustentável" com base na minha ligação com as artes e utilizando a realização de filmes através de iniciativas de envolvimento comunitário e investigação colaborativa com Afrodescendentes. Tive o prazer de me juntar a Sally Alassane Thiam (Senegal) e Romilson Silveira (São Tomé e Príncipe) para discutir o impacto das artes na criação de melhores narrativas para África a nível global. As sessões de diálogo serviram como momentos de verdade em termos do que podemos fazer localmente, e para colaborar globalmente, e para aprender como podemos potencializar as diferenças para contribuir para o empoderamento dos africanos e das comunidades afrodescendentes.

Sou uma Afrodescendente criada num sítio de património da UNESCO. Cresci com muitas questões que a academia me tem ajudado a abordar em colaboração com os jovens (e as suas novas questões). E senti que as conversas que tivemos com os jovens angolanos e os jovens de outros países africanos e da diáspora acenderam um fogo que nos vai ajudar a continuar a empurrar. Apesar de falarmos línguas diferentes e de termos entendimentos diferentes dos desafios associados a África, todos sabíamos que precisávamos de fazer melhor. E que ao apoiarmo-nos mutuamente durante os anos vindouros, o faremos.

Somos apenas pequenas peças de um puzzle, juntando-nos a um movimento que tem vindo a acontecer há séculos e que começou antes da Bienal e que continuará depois dela, porque as nossas comunidades têm de cuidar umas das outras. Quanto mais trabalho com a juventude, mais aprendo que apreciamos todo o apoio institucional para nos ajudar a torná-lo realidade, mas temos vindo a fazer o trabalho há séculos. E não vamos parar porque não podemos dar-nos ao luxo de o fazer.