Biennale Luanda

Sobre a Bienal de Luanda

O que é a Bienal de Luanda?

A Bienal de Luanda – “Fórum Pan-Africano para a Cultura de Paz” é uma iniciativa conjunta da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), a União Africana (UA) e o governo de Angola, que visa a promover a prevenção da violência e da resolução de conflitos, incentivando o intercâmbio cultural na África e o diálogo entre gerações. Como um espaço de reflexão e divulgação de obras artísticas, ideias e boas práticas relacionadas à cultura de paz, o evento reúne representantes de governos, da sociedade civil, da comunidade artística e científica, bem como de organismos internacionais. A Bienal participa da implementação do Plano de Ação para uma Cultura de Paz na África – “Make Peace Happen”, aprovado em março de 2013 em Luanda, Angola, durante o Fórum Pan-Africano “Fundamentos e recursos para uma cultura de paz”.

 

A edição de 2021 foi realizada num formato híbrido!

A última da Bienal de Luanda foi celebrada sob o tema de 2021 da União Africana, “Artes, cultura e patrimônio: alavancas para construir a África que queremos”, em um formato híbrido, que combinará eventos digitais e presenciais.

Leia a nota conceitual aqui 

A arte da contação de histórias por meio de desenhos...

A tradição dos "sona" e do símbolo linguali

Geralmente, os sona são formas delineadas que podem ser desenhadas sem levantar um dedo ou passar duas vezes sobre a mesma linha.

Esses desenhos fazem parte da tradição oral dos Chócues – uma população de língua bantu da África Central e Austral, presente principalmente na República Democrática do Congo (RDC) e em Angola. Eles servem principalmente como elementos mnemônicos na narração de histórias. Os sona são desenhados por homens. Os meninos aprendem a contar histórias e desenhar os sona como parte de seu ritual de iniciação. O linguali – o “pássaro grande ou importante” – é um símbolo que faz parte dessa tradição e designa um dos sona mais reconhecidos em Angola.

Femme Linguali
A história da cultura de paz

"A paz é mais do que uma ausência de guerra. Ela significa justiça e equidade para todos como a base para se conviver em harmonia e sem violência, agora, mas ainda mais para os nossos filhos e para as gerações seguintes." Koïchiro Matsuura

Inspirado pela Constituição da UNESCO, o conceito de uma “cultura de paz” foi formulado no Congresso Internacional sobre Paz nas Mentes dos Homens, realizado em Iamussucro, Costa do Marfim, em 1989. À época, a UNESCO e as Nações Unidas, engajadas em um processo que visava a definir, estruturar e depois promover o conceito de uma “cultura de paz e não violência” em todo o mundo, elaboraram um compromisso que, no final da década de 1990, se refletiu na aprovação da Declaração e Programa de Ação sobre uma Cultura de Paz.

Culture of Peace

A Cultura de Paz consiste “em valores, atitudes e comportamentos que refletem e inspiram a interação e o compartilhamento social com base nos princípios de liberdade, justiça e democracia, todos os direitos humanos, tolerância e solidariedade, que rejeitam a violência e se empenham na prevenção dos conflitos, ao tratar de suas causas originárias para solucionar os problemas por meio do diálogo e da negociação, e que garantem o pleno exercício de todos os direitos e os meios para participar de forma plena do processo de desenvolvimento de sua sociedade”.

Assembleia Geral das Nações Unidas (Resolução A/53/25) 1998

Do Manifesto 2000 à Bienal de Luanda

Em 2000, foi lançada uma campanha pública de conscientização com base no Manifesto 2000, um compromisso pessoal escrito por um grupo de ganhadores do Prêmio Nobel da Paz. Esse compromisso comum, de observar e colocar em prática na vida cotidiana os princípios universais de uma cultura de paz e não violência, foi firmado por mais de 75 milhões de pessoas em todo o mundo.

Treze anos depois, para a região da África, o apelo à criação de um “movimento continental e sustentável pela paz” foi incluído no Plano de Ação para uma Cultura de Paz na África – “Vamos agir pela paz”. Esse plano foi aprovado no final do Fórum Pan-Africano Sources and Resources for a Culture of Peace (Fundamentos e Recursos para uma Cultura de Paz), realizado em Luanda, em 2013. O objetivo do Fórum consistiu em “confiar nas fontes de inspiração e no potencial dos recursos culturais, naturais e humanos do continente para identificar caminhos e ações concretas para construir uma paz duradoura como a pedra angular do desenvolvimento endógeno e do panafricanismo”. Nesse contexto, decidiu-se pela criação de uma Bienal da Cultura da Paz.

Leia mais sobre a cultura de paz

"Nós precisamos de um novo compromisso para respeitar o direito de ser diferente e para aproveitar ao máximo a diversidade como uma força a ser compartilhada entre todas as pessoas, independentemente de onde elas vêm, ou de que etnia, língua, tradições ou história elas possam ter. Precisamos de respeito e tolerância mútuos. Precisamos elevar o nível de tolerância entre todos nós. Esta é a cultura da paz."
Ban Ki-Moon oitavo secretário-geral dos Comentários da ONU ao Fórum de Alto Nível sobre a Cultura da Paz (2014)

Objetivos globais

O objetivo da Bienal de Luanda para a Cultura de Paz na África é trabalhar para a apropriação e a implementação – individual e coletiva, diária e sustentável – no continente do conceito de uma cultura de paz.

Esta iniciativa reforça a implementação dos Objetivos 16 e 17 da Agenda 2030 das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável e das 7 Aspirações da Agenda 2063 da União Africana, em particular sua iniciativa Silenciar as Armas até 2033. A Bienal também contribui para a implementação da Estratégia Operacional da UNESCO para a Prioridade África (2014-2021), com o objetivo de fornecer respostas africanas às transformações que afetam as economias e as sociedades do continente.

 

sdgs
Alphadi, artista pela Paz da UNESCO

“A África é a mãe da humanidade”

test 1

A Bienal de Luanda de 2019

A primeira edição da Bienal de Luanda – Fórum Pan-Africano para a Cultura de Paz aconteceu entre 18 e 22 de setembro de 2019, em Luanda, Angola. A UNESCO, a União Africana (UA) e o governo angolano organizaram em conjunto o evento de cinco dias, que foi uma celebração de vários valores, crenças, formas de espiritualidade, conhecimento e tradições africanos que contribuem para o respeito aos direitos humanos, para a diversidade cultural, para a rejeição à violência e para o desenvolvimento de sociedades democráticas.

A Bienal foi organizada em torno de cinco eixos principais: o Fórum de Parceiros – Aliança para a África, o Fórum de Ideias, o Fórum da Juventude, o Fórum de Mulheres e o Festival de Culturas. Esses eixos criaram uma plataforma para a diversidade cultural e para a unidade africana, bem como um espaço destinado a parcerias sustentáveis e inovadoras para o futuro da África. Eles tiveram como objetivo disseminar boas práticas e soluções para a prevenção e a resolução de conflitos na África.

Como “um espaço privilegiado para a promoção da diversidade cultural e da unidade africana, a Bienal de Luanda é uma plataforma especial para governos, sociedade civil, comunidade artística e científica, setor privado e organizações internacionais debaterem e definirem estratégias de prevenção da violência e de conflitos, com vistas à construção de uma paz sustentável.”  
Exmo. sr. João Manuel Gonçalves Lourenço Presidente da República de Angola

Principais dados da edição de 2019:

3
Chefes de Estado
116
Painelistas
62
Países participantes
15,000
Participantes

no Festival das Culturas

Biennale 2019
Todos os recursos sobre a cultura de paz
Resources_CultureofPeace